Os Tripes do Brasil
Identificação, Informações, Novidades

Merothrips floridensis

Merothrips floridensis Watson, 1927: 6.

Referência original: Faure JC (1938). Descriptions of new Thysanoptera. Pretoria University Publications, Series 2, Natural Science 4: 1–20.

 

Família

Merothripidae

 

Informações sobre nomenclatura

http://thrips.info/wiki/Merothrips_floridensis

 

Diagnose

Corpo amarelo a marrom-claro; incluindo pernas e antenas, exceto pelo segmento II que é distintamente mais claro; cabeça levemente mais escura; asa anterior escurecida. Cabeça com um par de cerdas ocelares longas, além de um par de cerdas pós-oculares bem desenvolvidas. Antena com 8 segmentos; segmentos III & IV com sensórios transversais no ápice. Pronoto mais largo posteriormente, com apenas um par de cerdas posteroangulares longas. Espínula meso & metatorácica presente. Mesonoto com um par de cerdas longas localizadas lateralmente; metanoto com fraca esculturação central; sensila campaniforme presente; par de cerdas medianas localizado próximo da margem posterior. Tarso com dois segmentos. Asa anterior com duas fileiras completas de cerdas. Tergitos abdominais sem microtríquias e X com um par de tricobótrias bem desenvolvidas. Esternitos III–VII com dois a quatro pares de cerdas discais; ovipositor pouco desenvolvido. Fêmea geralmente áptera.

 

Macho áptero e com uma grande placa porosa no dorso da cabeça.

 

Variação intraspecífica

De acordo com Mound & O’Neill (1974), a cor do pronoto e o tamanho do corpo dos macho varia consideravelmente entre populações. Machos maiores possuem fêmur anterior expandido, tíbia anterior com tubérculos, e os segmentos antenais III–IV algumas vezes são longos e estreitos. 

 

Informações do gênero e espécies similares

Merothrips inclui 13 espécies atuais, a maioria delas descrita dos Neotrópicos. Todas possuem antena com oito segmentos e área sensorial transversal nos segmentos III & IV, que pode ser levemente inflada. Muitas espécies são conhecidas apenas das formas ápteras. Merothrips floridensis é a espécie mais comum desse grupo, sendo similar à M. brunneus, mas apresenta cor distintivamente mais clara. Uma chave para as espécies de Merothrips fornecida por Mound & O’Neill (1974).

 

Distribuição no mundo

Amplamente distribuída, registrada desde a América do Sul até a do Norte, África, Austrália, Europa, Japão e Nova Zelândia.

 

Distribuição no Brasil*

São Paulo.

*Dados da literatura e dos autores.

 

História de vida

Vive no folhiço e em galhos mortos, e possivelmente se alimenta em hifas de fungos.

 

Importância econômica

Sem registros.

 

Referências sugeridas

Mound LA & O'Neill K (1974) Taxonomy of the Merothripidae, with ecological and phylogenetic considerations (Thysanoptera). Journal of Natural History 8: 481–509.

Mound LA & Marullo R. (1996). The Thrips of Central and South America: An Introduction. Memoirs on Entomology, International 6: 1–488.


Publicado em: 23/12/2016
Postado por: Adriano

Galeria de fotos:

Atendimento


Brasil, Rio Grande do Sul, Rio Grande

Campus Carreiros: Av. Itália km 8

Bairro Carreiros



(51) 9812-37076


cavalleri_adriano@yahoo.com.br

Curta nossa Fan Page

Thysanoptera © Todos Direitos Reservados 2018

Facebook Instagram Linkedin

Hostche - Criação de Sites