Os Tripes do Brasil
Identificação, Informações, Novidades

Hydatothrips williamsi

Hydatothrips williamsi (Hood, 1928: 230).

Referência original: Hood JD (1928) New neotropical Thysanoptera collected by C.B. Williams II. Psyche 34: 230–246.

 

Família

Thripidae, Sericothripinae

 

Informações sobre nomenclatura

http://thrips.info/wiki/Hydatothrips_williamsi

 

Diagnose

Corpo amarelo com marcas castanho-claras; cabeça e metanoto castanhos, triângulo ocelar mais escuro; mancha pronotal castanho-clara; tergitos II–VI com a crista antecostal escura, e marcas castanhas anterolateralmente; tergitos VII–X amarelos; asas anteriores amarelo-acastanhadas; segmentos antenais I–III claros, IV castanho; tíbias posteriores amarelas, fêmures castanho-claros no ápice. Cabeça com apódema occipital confluente com a margem posterior dos olhos; cone bucal estendendo-se além das coxas anteriores. Antena com 8 segmentos, III & IV com cones sensoriais bifurcados. Pronoto com a área anterior apresentando estriações reticuladas transversais, mancha pronotal estriada, cerdas posteroangulares cerca de duas vezes mais longas que o comprimento mediano da mancha. Cerdas do mesonoto quase formando uma fileira transversal; metanoto com estriações fracamente definidas; placa do metaesterno com uma marcada emarginação em forma de U. Tarsos com dois segmentos. Asas anteriores com primeira fileira de cerdas completa, segunda fileira ausente. Tergitos abdominais I–VIII cobertos por microtríquias em fileiras pouco espaçadas; II–VIII com um par de cerdas medianas longas e próximas entre si; margem posterior dos tergitos VII–VIII com um pente completo de microtríquias; tergito IX com três pares de cerdas médio-dorsais. Esternitos cobertos por microtríquias, inclusive medialmente; três pares de longas cerdas posteromarginais. Ambos os sexos macrópteros.

 

Machos com uma placa porosa circular em cada um dos esternitos V–VII.

 

Variação intraespecífica

Sem registro.

 

Informações do gênero e espécies similares

Cerca de 40 espécies estão incluídas em Hydatothrips, a maioria delas bicoloridas e com coloração das asas em faixas. Este grupo é proximamente relacionado com Neohydatothrips e pode ser distinguido pela presença de um apódema em formato de V no metaesterno. Hydatothrips williamsi é caracterizado por possuir as quatro cerdas no mesonoto quase formando uma fileira transversal, segmentos antenais delgados e tergito IX com três pares de cerdas médio-dorsais.

 

Distribuição no mundo

Descrita das ilhas caribenhas, e registrada para o Brasil e Equador (Ilhas Galápagos).

 

Distribuição no Brasil*

Ceará, Piauí, Rio Grande do Sul e São Paulo.

*Dados da literatura e dos autores

 

História de vida

Desconhecida; possivelmente vive em folhas. No Brasil, adultos foram coletados em gramíneas, Allamanda e Chamaecyce.

 

Importância Econômica

Sem registro.

 

Referências sugeridas

Lima EFB & Mound LA (2016) Species-richness in Neotropical Sericothripinae (Thysanoptera: Thripidae). Zootaxa 4162(1): 1–45.

Hoddle MS & Mound LA (2011) Thysanoptera of the Galapagos Islands. Pacific Science 65: 507–513.


Publicado em: 29/12/2016
Postado por: Mariana Lindner

Galeria de fotos:

Atendimento


Brasil, Rio Grande do Sul, Rio Grande

Campus Carreiros: Av. Itália km 8

Bairro Carreiros



(51) 9812-37076


cavalleri_adriano@yahoo.com.br

Curta nossa Fan Page

Thysanoptera © Todos Direitos Reservados 2020

Facebook Instagram Linkedin

Hostche - Criação de Sites