Os Tripes do Brasil
Identificação, Informações, Novidades

Scirtothrips manihoti

Scirtothrips manihoti (Bondar, 1924: 216).

Referência original: Bondar G (1924) Dois males nas folhas da mandioca. Chacaras e Quintaes 1924: 215–219.

 

Família

Thripidae, Thripinae

 

Informações sobre nomenclatura

http://thrips.info/wiki/Scirtothrips_manihoti

 

Diagnose

Coloração majoritariamente amarela, mas cada um dos tergitos abdominais III–VIII com uma área mediana transversal castanho-clara; segmento antenal I amarelo, II–VIII castanhos; asas anteriores uniformemente castanhas. Cabeça com três pares de cerdas ocelares, par III pequeno e situado próximo à margem anterior dos ocelos posteriores. Antenas com 8 segmentos, III & IV com cones sensoriais bifurcados. Pronoto retangular, transversalmente estriado e com um par de cerdas posteroangulares longas. Espínulas meso e metatorácica bem desenvolvidas. Metanoto com reticulação irregular posteromedialmente; sensilas campaniformes ausentes; dois pares de cerdas, par mediano longo e situado ligeiramente atrás da margem anterior. Tarsos com dois segmentos. Asas anteriores com as duas fileiras amplamente interrompidas de cerdas. Terços laterais dos tergitos abdominais II–VIII cobertos por fileiras próximas de microtríquias delgadas; margem posterior com um pente fino; tergito VIII com o pente de microtríquias completo; III–VI com um par de cerdas medianas pequenas e próximas entre si. Esternitos sem cerdas discais mas cobertos por fileiras de microtríquias, exceto anteromedialmente. Ambos os sexos macrópteros.

 

Machos sem placas porosas nos esternitos.

 

Variação intraespecífica

Sem registro.

 

Informações do gênero e espécies similares

Este gênero possui mais de 100 espécies, quase todas dos trópicos ou subtrópicos. A maioria dos membros possui corpo claro, pronoto transversalmente estriado e terços laterais dos tergitos abdominais cobertos com fileiras regulares de microtríquias diminutas. Algumas espécies dentro do grupo possuem uma grande amplitude de variação, o que às vezes resulta em decisões taxonômicas errôneas (Mound & Zur Strassen 2001). De acordo com Moulton (1933), Scirtothrips manihoti é proximamente relacionada com Scirtothrips bondari, mas é diferenciada pela presença de marcas castanhas nos tergitos abdominais e asas anteriores castanhas.

 

Distribuição no mundo

Descrita do Brasil, é também registrada para a Argentina e América Central.

 

Distribuição no Brasil*

Bahia, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e São Paulo.

*Dados da literatura e dos autores.

 

História de vida

Vive em folhas; frequentemente coletada em Manihot esculenta (Euphorbiaceae).

 

Importância econômica

Possivelmente relacionada com distorção de folhas em mandioca.

 

Referências sugeridas

Moulton D (1933) The Thysanoptera of South America II. Revista de Entomologia 3: 96–133.

Mound LA & Palmer JM (1981) Identification, distribution and host-plants of the pest species of Scirtothrips (Thysanoptera: Thripidae). Bulletin of Entomological Research 71: 467–479. 

Mound LA & zur Strassen R (2001). The genus Scirtothrips (Thysanoptera: Thripidae) in Mexico: a critique of the review by Johansen & Mojica-Guzmán (1998). Folia Entomologica Mexicana 40(1): 133–142.


Publicado em: 03/01/2017
Postado por: Adriano

Galeria de fotos:

Atendimento


Brasil, Rio Grande do Sul, Rio Grande

Campus Carreiros: Av. Itália km 8

Bairro Carreiros



(51) 9812-37076


cavalleri_adriano@yahoo.com.br

Curta nossa Fan Page

Thysanoptera © Todos Direitos Reservados 2022

Facebook Instagram Linkedin

Hostche - Criação de Sites