Os Tripes do Brasil
Identificação, Informações, Novidades

Aeolothripidae do Brasil

 

Esta família compreende 24 gêneros e mais de 200 espécies, das quais 9 espécies distribuídas em 4 gêneros têm registro para o Brasil. Mais de 50% das espécies de Aeolothripidae vivem em flores e ocorrem em regiões temperadas, e pertencem aos gêneros Aeolothrips (Holártico) e Desmothrips (Austrália). Embora vivem em flores, se alimentando de tecidos florais e pólen, muitas espécies também são predadoras facultativas em pequenos artrópodes. Por outro lado, mais da metade dos gêneros de Aeolothripidae é restrita de países tropicais e as espécies parecem ser predadoras obrigatórias, algumas delas vivendo na copa das árvores enquanto outras em vegetação rasteira.

 

A maioria das espécies desta família registradas para o Brasil provavelmente sejam predadoras obrigatórias. As espécies de Stomatothrips vivem principalmente em gramíneas e sua morfologia e comportamento são mímicos de formiga. As espécies de Franklinothrips também são mímicas de formigas, mas vivem em folhas de dicotiledôneas e às vezes nas copas de árvores. Algumas espécies de Franklinothrips (e.g. F. orizabensis e F. vespiformis) vem sendo empregadas como agentes de controle biológico contra tripes e ácaros pragas em casas de vegetação na Europa. Ambaeolothrips pampeanus e as espécies de Erythrothrips são raramente coletadas e nada se sabe sobre sua biologia, embora provavelmente sejam fitófagas.

 

Todos os Aeolothripidae possuem 9 segmentos antenais, com área sensorial nos antenômeros III e IV de formato linear, algumas vezes se curvando ao redor do ápice, e mais raramente apresentando sinuosidades. A cabeça possui ponte tentorial bem desenvolvida e as asas anteriores apresentam venações cruzadas aparentes, geralmente com bandas escuras transversais ou longitudinais. O machos não apresentam placas porosas e as fêmeas possuem ovipositor bem desenvolvido, com valvas orientadas para cima.

 

Clique aqui para conhecer as espécies registradas para o Brasil.

Clique aqui para identificar as espécies registradas para o Brasil.

 

Referências sugeridas:

Mound LA & Marullo R (1993) The Erythrothrips complex of tropical Aeolothripidae (Thysanoptera) with a new Australian genus and a new South African species. Entomologica Scandinavica 24: 285–291.

Mound LA & Marullo R (1996) The Thrips of Central and South America: An Introduction. Memoirs on Entomology, International 6: 1–488.

Mound LA & Reynaud P (2005) Franklinothrips; a pantropical Thysanoptera genus of ant-mimicking obligate predators (Aeolothripidae). Zootaxa 864: 1–16.

Mound LA, Cavalleri A, O’Donnell CH, Infante F, Ortiz A & Goldarazena A (2016) Ambaeolothrips: a new genus of Neotropical Aeolothripidae (Thysanoptera), with observations on the type-species from mango trees in Mexico. Zootaxa 4132: 413–421.


Publicado em: 09/09/2017
Postado por: Adriano

Galeria de fotos :

Atendimento


Brasil, Rio Grande do Sul, Rio Grande

Campus Carreiros: Av. Itália km 8

Bairro Carreiros



(51) 9812-37076


cavalleri_adriano@yahoo.com.br

Curta nossa Fan Page

Thysanoptera © Todos Direitos Reservados 2022

Facebook Instagram Linkedin

Hostche - Criação de Sites